Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Portugueses na Diáspora

Cidadãs e Cidadãos portugueses emigrantes, migrantes, destacados, expatriados. Não somos cidadões, mas cidadãos de pleno direito e exigimos não-discriminação legislativa-regulamentar-administrativa

Portugueses na Diáspora

Cidadãs e Cidadãos portugueses emigrantes, migrantes, destacados, expatriados. Não somos cidadões, mas cidadãos de pleno direito e exigimos não-discriminação legislativa-regulamentar-administrativa

gosto

"Eu vou lá estar", diz em Londres a jovem emigrante à Ministra das Finanças

por portugueses na diáspora, em 11.05.15

11169722_10205257166761034_2703407454366454668_o.j

No dia 5 de Maio de 2015 ( as eleições legislativas gerais britânicas foram a 7 de Maio)  a Ministra das Finanças, Maria Luis Albuquerque, foi a Londres palestrar sobre o êxito do programa de austeridade em Portugal. Ou seja, foi dar uma mãozinha à campanha eleitoral dos Tories, contribuindo do lado da Europa do Sul para o discurso endoutrinador que governos conservadores neoliberais europeus - aliados da City e dos mercados que faliram e se recapitalizaram- andam a propagar aos cidadãos, ajudados pelos barões dos mídia : "os outros andaram a gastar muito no passado, tivemos nós de impôr a austeridade para voltarmos aos eixos e ao crescimento". Foi este discurso simplista e fora da realidade que ganhou as eleições no Reino Unido, quando a realidade mostra todo o contrário : os governos conservadores neoliberais da austeridade andam a empobrecer os estados e as populações para transferir os dinheiros públicos para os donos do mundo. As eleições britânicas não são verdadeiramente democráticas : dos 46 milhões de eleitores do Reino Unido só 100 mil votam. O sistema eleitoral britânico, profundamente aristocrático, não permite nunca a partilha do poder com forças políticas mais pequenas e progressistas, antes perpetua a dominação dos 2 grandes partidos.  Para melhores explicações leiam-se os excelentes artigos de Shaun Lawson, publicados em "www.opendemocracy.net" 

www.opendemocracy.net/ourkingdom/shaun-lawson/when-is-democracy-not-democracy-when-it’s-in-britain

www.opendemocracy.net/ourkingdom/shaun-lawson/polls-and-all-but-one-of-forecasts-were-wrong-ed-miliband-was-nowhere-near-b

 

Voltemos à propaganda de Maria Luís Albuquerque. A sua intervenção na London School of Economics suscitou a reacção in locco de Liliana, jovem cidadã emigrante obrigada a sair de Portugal devido ao tratamento de choque da troika-governo de Pedro Passos Coelho, Vitor Gaspar e Maria Luís Albuquerque.

http://ptjornal.com/video-jovem-deseja-a-maria-luis-albuquerque-uma-derrota-nas-eleicoes-37382

Felizmente há sempre alguém que resiste, há sempre alguém que diz não.Há sempre algum Asterix. Neste caso, uma Astérix portuguesa. A cidadã emigrante Liliana lembrou à Ministra que a "Austeridade"  é um fracasso económico, um fracasso de cidadania, um fracasso democrático e de gestão de um Estado. A "Austeridade"  só beneficia aquele 1% ou menos da sociedade : os grandes patrões, o capital financeiro, aqueles que podem fugir ao fisco, os corruptos.

 

A afirmação da Liliana à ministra tornou-se um soundbyte  "Sim,eu vou lá estar" .

Por extenso : "eu vou lá estar em Outubro, nas eleições, para garantir que a senhora ministra não seja eleita"

O grupo local de entreajuda  Migrantes Unidos  fez um poster com esta frase e está a divulgá-lo para alertar os cidadãos portugueses emigrantes que devem ir fazer o seu recenseamento eleitoral, antes que seja tarde demais. 

http://viveruk.org/

Facebook: facebook.com/groups/viveruk

 

 "Eu vou lá estar!"

É o que fazem alguns.

Aqueles que podem e aqueles mais activistas civicamente que se sentem impelidos por uma obrigação patriótica.   Mas...e  todos os que não podem viajar até Portugal para lá estar nas eleições?

E era preciso, na era do e.governo, dos serviços públicos em linha, fazer uma viagem a Portugal para garantir o voto ? Não podiamos ter o voto electrónico, se já não temos os consulados necessários perto de nós?  Que atraso de vida...

http://www.telemetro.com/internacionales/Ciudad-Mexico-tribunal-electronico-extranjero_0_442455978.html

Não temos voto electrónico, os consulados portugueses escasseiam em toda a Europa e em todo o Mundo.O pouco pessoal consular, em cada posto, não tem capacidade de atendimento a tanto emigrante. O tempo de espera é por vezes de 2 e mais horas. Temos de fazer marcação por telefone para ir resolver qualquer coisa ao consulado. Temos de tirar 1 dia de trabalho.

Os terminais do consulado virtual nunca foram ligados! Jazem nos cantos das associações portuguesas...

 

Tudo dificulta o recenseamento eleitoral e o voto do cidadão português emigrante...ora o voto é a nossa maior arma de cidadania!

Vejam esta atrocidade : o recenseamento eleitoral não é automático para o cidadão emigrante, como é para o cidadão residente. Ao emigrar o cidadão português perde a sua capacidade de eleitor e só a pode readquirir através de um processo voluntário e burocrático, que exige tempo e deslocações ao consulado ou então infoinclusão, muito à vontade com a internet e os sites.

 

Mas que ofensa é esta que nos fazem?!

Não somos nós portugueses como os outros?

Não pagamos impostos e não enviamos remessas?

 

 

E por que razão os nossos círculos eleitorais da emigração em todo o mundo só podem eleger 4 deputados? Que representatividade na Assembleia da República podemos nós ter com 4 deputados??? Que atestado de minoridade e de cidadania de 2a classe nos passa a Lei Eleitoral ?  parece do tempo da outra senhora...

Os 5 milhões de emigrantes portugueses têm direito a 6 deputados ou mesmo 8 deputados na Assembleia da República. Deputados em número suficiente para constituirem massa crítica e para poderem representar condignamente este vasto círculo eleitoral.

 

Que a representatividade política dos emigrantes portugueses não seja uma expressão residual e inaudível na Casa da Democracia.

 Que sejamos incluidos na participação democrática!

 

lídia martins

emigrante

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

like